sábado, 4 de fevereiro de 2017

Estágio - Ciberescola (www.ciberescola.com)
Até à próxima sexta-feira, dia 17/02, estamos a realizar entrevistas via Skype com vista à seleção de estagiário no formato de estágio regulamentado pelo IEFP (cf. condições em https://www.iefp.pt/estagios). O candidato deverá ser mestre em PLE ou estar a concluir dissertação.
O serviço a realizar no âmbito da Ciberescola consiste na lecionação em videoconferência a crianças e jovens não falantes nativos do português (A1, A2 e B1) a frequentar escolas públicas portuguesas e trabalho administrativo de manutenção de Website educativo, em horário completo de 35 horas semanais. Não existem requisitos específicos quanto ao local de trabalho.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015


http://www.cibercursoslp.com/index.php?action=destaques&id=97

Clássicos adaptados para alunos PLE


No séc. XVI Fernão Mendes Pinto percorreu o oriente durante 21 anos, por terras que nenhum ocidental tinha visto até então. O relato minucioso que ele faz dessa sua grande aventura é fantástico, excessivo e empolgante.
Peregrinação é uma obra singular: mistura de diário de bordo com registo cartográfico e etnográfico, tem como constante a narração contínua, a um ritmo alucinante, das batalhas, tempestades, assaltos e demais infortúnios por que passou “o pobre de mim”. O número de vezes em que Fernão Mendes Pinto se salvou das mais incríveis situações pode ser inverosímil, mas o olhar perspicaz e crítico com que ele viu o comportamento dos mercadores portugueses no Oriente é de quem não tinha ilusões.
Este livro é uma versão adaptada da obra Peregrinação e destina-se a alunos aprendentes do português nível B2. Nesta edição, as palavras desconhecidas são sublinhadas e glosadas na margem de cada página. Estas glosas são uma breve explicação do significado da palavra ou, então, dão informação histórica e cultural necessária à compreensão de uma passagem. Muitas vezes, também, recorre-se a uma imagem, para ser mais rápida a apreensão da noção em referência e, assim, minimizar a suspensão do fluxo de leitura. Cada capítulo tem um resumo no início. Deste modo, procura-se que o leitor inicie a leitura do capítulo fazendo predições corretas sobre o que se vai desenrolar.
No final do livro, há exercícios com soluções para o aluno testar a compreensão global do texto e para o ajudar a memorizar vocabulário novo. O objetivo desta coleção de livros adaptados é fazer com que o aluno, que ainda não domina suficientemente a língua para poder ler a obra original, consiga compreender a globalidade do texto sem grande esforço.

quinta-feira, 12 de março de 2015

PROFESSORES DE 1.º CICLO - RECRUTAMENTO DE COLABORADOR

A Ciberescola está a recrutar colaboradores com o seguinte perfil:
professor do 1.º ciclo do quadro de nomeação definitiva com pós-graduação em ensino de Português Língua Segunda.
As funções a desempenhar consistem na lecionação por videoconferência a alunos dos 7 aos 10 anos falantes não nativos do português e terão lugar no ano letivo de 2015/2016. As funções são prorrogáveis por anos letivos subsequentes, mediante avaliação de desempenho.
O envio de carta de apresentação e currículo deverá ser dirigido a:
Ana Sousa Martins
email: anissimamente@gmail.com
tel:916540446

sábado, 14 de fevereiro de 2015

As autoestradas em Portugal

As autoestradas em Portugal são ótimas em alguns aspectos. Quase ninguém anda nessas vias e, em comparaçåo com as autoestradas na Alemanha, onde muitos carros andam durante todo o dia e há muitas vezes engarrafamentos, pode-se viajar descansado. A tecnologia para o pagamento de portagens nas novas autoestradas é muito avançada e muito confortável para os condutores, porque não é necessário interromper a viagem para pagar a portagem.
A tecnologia das portagens é,  assim, muito moderna, pois eles podem registar as placas de matrícula de todos os carros que passam. Para os portugueses é fácil pagar a portagem. Eles vão aos correios, indicam as matrículas deles e pagam.
Mas, para os automobilistas estrangeiros, o método para pagar está organizado de modo a, parece, todas as ideias feitas sobre a incapacidade dos funcionários poderem ser confirmadas.
Não posso compreender porque é que os automobilistas estrangeiros não podem pagar da mesma maneira que os portugueses. E quando, finalmente (mas sempre tarde de mais), os automobilistas estrangeiros descobrem a maneira complicada que há de pagar portagens quando viajam pela autoestrada, eles são confrontados com multas, que são completamente desproporcionadas. A consequência é que eles não pagam nada a posteriori e de futuro evitam viajar nas autoestradas. Ou continuam a usar as autoestradas sem pagar.
Dupla perda!
Talvez pudessem melhorar o sistema das portagens de modo a:
1. prolongar o período para pagar a portagem para todos os automobilistas;
2. anular as multas exorbitantes e substitui-las por juros, que é o procedimento habitual, no caso de admoestações;
3. dar aos estrangeiros a possibilidade de pagamento como é dada aos portugueses (pagar nos Correios);
4. estabelecer um método simples para pagar via Internet, disponível para todos os clientes (portugueses e estrangeiros).

(exercício de escrita de Ulrich Kuhlendahl)

sábado, 20 de dezembro de 2014

De entre as vantagens mais badaladas em favor de se aprender uma língua estrangeira - desde a projeção profissional, passando pelo aumento de carisma até ao retardamento do Alzheimer (em 6 anos!) - há uma que é inigualável: o poder de ler uma pitada de texto literário, na língua em que foi escrito, e comover-se com isso.

NATAL CHIQUE

Percorro o dia, que esmorece
Nas ruas cheias de rumor;
Minha alma vã desaparece
Na muita pressa e pouco amor.

Hoje é Natal. Comprei um anjo,
Dos que anunciam no jornal;
Mas houve um etéreo desarranjo
E o efeito em casa saiu mal.

Valeu-me um príncipe esfarrapado
A quem dão coroas no meio disto,
Um moço doente, desanimado…
Só esse pobre me pareceu Cristo.

Vitorino Nemésio

Feliz Natal!

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Portuguese as Foreign Language - 2014/2015 online courses, using real-time conferencing sessions:



quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Ensino online - o que é realmente?


De que falamos quando falamos de ensino online, ensino a distância, ensino com recurso às TIC? Plataformas e aplicações de ensino são uma e a mesma coisa? Aprende-se melhor ou pior com recurso às novas tecnologias? É apenas uma questão de motivação e de atratividade? Qual o papel do professor "de carne e osso" neste contexto?
Para responder à primeira questão há logo que considerar, atualmente e cada vez mais, duas grandes modalidades de ensino: uma em que o professor partilha fisicamente o mesmo espaço com os seus alunos e outra em que nem o professor nem cada um dos seus alunos estão no mesmo espaço físico, estando, sim, no mesmo espaço de tempo e interagindo "em tempo real", cara a cara (com câmara). É nesta segunda modalidade que os recursos online são absolutamente necessários e que o esforço de construção de uma base de dados de materiais disponíveis numa plataforma na Internet é premente. Ora, daqui decorre que, se todos os materiais são para figurar numa página Web, e não em papel, como num manual escolar, há que lançar mão de todos os serviços de produção e partilha de vídeos, áudios, imagens e texto, como sejam o Youtube, o Screenr, o Slideshare, o Audacity, etc. etc., e que não carecem de um conhecimento especializado.
O que o artigo «Ensino do PLNM pela acção das novas tecnologias: um novo paradigma?» - publicado na revista Almada Forma, n.º7 (do Centro de Formação de Almada) tenta deixar antever é que o ensino, a este nível, vai deixar de ser o que é, muito em breve.